ANGOLA - Inauguração da Central Hidroelétrica do Luachimo

No dia 17 de Maio de 2024 teve lugar a inauguração da Central Hidroelétrica do Luachimo, localizada na província da Lunda Norte em Angola, cerimónia presidida pelo Ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, na companhia da governadora da Província, Deolinda Vilarinho, em que a COBA foi representada por Fernando Prioste, António Pereira da Silva e Nelson Barros.

É mais um aproveitamento hidroelétrico projetado pela COBA, com uma potência de 34 MW, cujos estudos e projetos arrancaram em 2006 com a fase de Estudo de Viabilidade, desenvolveram-se com a entrega do Projeto para Concurso em 2014 e com a realização da fase de Projeto de Execução e Assistência Técnica à Obra, que se concluiu agora em 2024 com a entrada em serviço da Central.

É uma infraestrutura de grande importância para o desenvolvimento económico e social da região, que permitirá o abastecimento regular em energia renovável à cidade do Dundo e à região envolvente, anteriormente abastecida de forma precária através de geradores a Diesel.

 

 

z

 

veja aqui a notícia da Televisão angolana TPA

Lx, 24 Mai 2024

 

ANGOLA - 2º Workshop do Plano Director de Abastecimento de Água ao Lubango

O 2º Workshop do Plano Director de Abastecimento de Água ao Lubango, que está a ser desenvolvido pela AdP Internacional e pela COBA, decorreu no dia 13 de março.

Marcaram presença a Direção Nacional das Águas (DNA-MINEA), os responsáveis da Unidade de Coordenação de Projectos (UCP-MINEA), a Administração e equipa técnica da EPASHUÍLA, o IRSEA, o INRH, o GABHIC, o Governo Provincial da Huíla e os seus Diretores Provinciais, a Administração Municipal do Lubango, as Universidades, as ONG’s, e os consultores ELECNOR e DAR. Da ADP Internacional esteve presente toda a equipa localizada na Huíla, incluindo o Team Leader, a Gestora do Projeto e a Administração.

A COBA esteve representada pela colega Tatiana Fonseca.

Lx, 27 Mar 2024

 

LUCAS Future

A COBA está a desenvolver para o Eurostat o projeto LUCAS Future.

O LUCAS Future é uma avaliação estratégica para moldar o futuro sustentável do Inquérito sobre Uso e Cobertura do Solo (LUCAS), desenvolvendo cenários considerando os requisitos políticos, utilização de dados, conteúdo, periodicidade e desafios legais associados ao acesso à propriedade privada.

A base legal para o projeto LUCAS Future está fundamentada na necessidade de conformidade com as políticas e regulamentos da UE que governam a recolha de dados estatísticos e a monitorização ambiental.

O projeto está organizado em quatro tarefas principais com uma duração total de seis meses, que inclui o planeamento geral e detalhado do projeto, seguido de uma avaliação abrangente da metodologia atual do inquérito LUCAS, análise de uso de dados, identificação das necessidades futuras dos utilizadores e o desenvolvimento de cenários para a evolução do inquérito LUCAS.

Serão realizadas entrevistas a todos os stakeholders chave da Comissão Europeia (Eurostat, JRC, DG ENV, DG AGRI, DG CLIMA, DG DEFIS, DG SANTE, EEA e EFSA) para recolher as diversas perspetivas e expertise que podem melhorar significativamente a qualidade, relevância e aplicabilidade dos cenários futuros do inquérito LUCAS e permitir verificar se o inquérito está alinhado com as necessidades dos utilizadores, o progresso tecnológico e os objetivos políticos.

Os resultados serão compilados num relatório detalhado com a apresentação de cenários, incluindo recomendações para futuras iterações do inquérito, abordando aspetos metodológicos, tecnológicos e legais para garantir a relevância e eficácia do inquérito a longo prazo. Estes resultados visam informar processos de planeamento estratégico e formulação de políticas ao nível da UE, garantindo que o inquérito LUCAS continue a fornecer dados valiosos para a gestão ambiental e agrícola.

O fim do projeto culminará com um workshop de apresentação dos resultados a todos os stakeholders chave.

Lx, 5 Mar 2024

 

PORTUGAL - A1 Autoestrada do Norte Lisboa/Porto

A A1 (Autoestrada do Norte) é a mais extensa e a mais antiga de Portugal. A sua extensão, sem considerar os nós de interligação com outras vias, é de 303 km. Para a Concessionária BRISA, a COBA foi responsável entre 1977 e 1991 pelos Estudos, Projetos e Assistência Técnica de cerca de 50% desta Autoestrada, incluindo 139 Pontes e Viadutos, 6 Nós de Ligação e outras tantas Praças de Portagem e 94 restabelecimentos da rede viária existente, distribuídos pelos seguintes lanços:

  • Aveiras de Cima-Santarém PB 1977; PE 1980; AT 1989

  • Torres Novas- Fátima PB 1981; PE 1987; AT 1989/91

  • Pombal-Condeixa PB 1989; PE 1989; AT 1991

  • Coimbra-Mealhada EP 1977; PE 1980; AT 1989/90

  • Mealhada-Águeda PB 1980; PE 1982; AT 1989/90

  • Aveiro-Vila da Feira PB1978; PE1980; AT 1989/90

Destes 6 lanços, merecem referência especial os de Aveiras de Cima - Santarém e Torres Novas - Fátima por terem exigido soluções pouco comuns para viabilizarem os traçados. Em relação ao primeiro, a questão mais delicada foi o atravessamento da Vala da Asseca em viaduto e, mais tarde, o seu alargamento de 2 para 3 faixas.

No lanço Torres Novas - Fátima, foi desafiante conseguir um traçado visando a subida para o planalto de Fátima através do atravessamento do Arrife, seguida de uma escavação a céu aberto com cerca de 30 m de altura.

Em resultado do aumento do tráfego em vários lanços desta Autoestrada, a COBA elaborou ainda alguns Projetos de alargamento de 2 para 3 vias nos dois sentidos do tráfego.

Lx, 2 Fev 2024